Azeite e seus benefícios

jun 29th, 2015

Comentários: 0
Categoria: Alimentação

Azeite e seus benefícios

Dentre os óleos vegetais comestíveis comercializados mundialmente, o principal representante é o azeite de oliva (Olea europaea salitava L.). Produzido a partir da prensagem de azeitonas mediante processos de extração e depuração, é um dos mais importantes e antigos do mundo, emprestando aos alimentos  aroma e sabor inconfundíveis.

Existem vários tipos de azeites de oliva, cada qual com características próprias, que variam de acordo com país produtor, tipo de colheita, seleção e modo de produção. Alguns são feitos com azeitonas ainda verdes, o que lhes atribui um sabor mais ácido; outros produzidos com olivas maduras e apresentam um sabor mais doce, macio ou frutado.

O azeite é um óleo extraído a frio – e, portanto, mais saudável e nutritivo do que os óleos refinados usados em larga escala na culinária brasileira. É, além disso, a única gordura vegetal que pode ser consumida diretamente, virgem e crua. O azeite de oliva corresponde a 3% do consumo mundial de óleos vegetais e é um alimento considerado rico em Polifenóis, que reduzem a formação de radicais livres.

Resultados e discussão
O azeite de oliva pode ser classificado em dois tipos: virgem e extravirgem. A diferença entre eles está no teor de acidez. Podem ser classificados pelo modo de obtenção (extração mecânica ou extração por solvente) e pelo fato de sofrerem refinação e mistura.

Bioquimicamente, a diferença entre eles está no teor de acidez. A acidez indica a qualidade das azeitonas usadas na fabricação do azeite. O extravirgem deve ter acidez máxima de 0,8% e não pode ser misturado a nenhum outro tipo de óleo. Já o virgem deve ter acidez máxima de 2% e é resultado de “blend” entre dois bons azeites.

O mais importante é saber o que diferencia um tipo de azeite do outro e como escolher o mais adequado para cada ocasião de uso ou de paladar.

O extravirgem é recomendado para consumo cru, como por exemplo em saladas, por causa do sabor. O virgem, apesar dos mesmos benefícios, tem o sabor menos apurado e pode ser usado para cozinhar, além de ser mais barato. Apesar de fazer bem para a saúde, o azeite não apresenta quantidades importantes de ômega-3, como o óleo de canola e o de soja, que apresentam teores mais elevados. A gordura do azeite suporta temperatura muito alta, mas suas propriedades benéficas são preservadas apenas até 180 °C. Pode ser usado para refogar, assar, cozinhar, mas não para fritar alimentos, pois, se submetido a temperaturas muito elevadas por período prolongado, ele perde os antioxidantes e os aromas diferenciados.

O azeite é um alimento que apresenta vários benefícios para a saúde. É rico em antioxidantes e pode funcionar como antirrugas, hidratante e calmante; é fonte de vitaminas E, A e K, ferro cálcio, magnésio, potássio e aminoácido, beneficiando a pele, os olhos, os ossos, a saúde células e a função imunológica. O azeite de oliva é altamente digestivo e considerado a gordura mais bem tolerada pelo nosso organismo, além de regular a função intestinal, proteger a mucosa do estômago, produzir um efeito de regeneração da pele e estimular o crescimento.

O fato de favorecer a absorção de cálcio ajuda a evitar a osteoporose, contribui para prevenção e/ou redução dos sintomas da artrite e do reumatismo e ajuda na prevenção de doenças cardiovasculares, fortalecendo o sistema imunológico. O consumo do azeite ainda é responsável por uma elevada absorção de vitaminas, particularmente da vitamina E, proporcionar um envelhecimento saudável e proteger contra o declínio de funções cognitivas relativas à idade e à doença de Alzheimer.

Na primeira infância,  ao passar da alimentação exclusivamente láctea para a alimentação diversificada, a criança necessita de uma adequada absorção de ácidos gordos essenciais, para que não ocorram carências que determinariam atraso no crescimento e outras alterações. O azeite proporciona uma quantidade de ácidos gordos semelhante à parte gorda do leite materno e, por meio do seu principal constituinte – ácido oleico – exerce uma ação benéfica no crescimento, na calcificação e no desenvolvimento dos ossos.

Uma pesquisa da Universidade de Bordeaux, na França, comprovou: usar regularmente o azeite no cardápio reduz em 41% o risco de derrames, controla o colesterol, ajuda a aumentar HDL, a baixar LDL, a manter a pressão e evita problemas cardiovasculares e diabetes. O ideal é usar, no máximo, duas colheres de sopa por dia – cada uma tem 90 calorias.

Recomendo o uso do azeite aos meus pacientes, de forma moderada, para temperar saladas e cozinhar suas refeições.

Posts Relacionados

  • 7 erros cometidos por quem faz dieta7 erros cometidos por quem faz dieta
    Se você não está conseguindo alcançar seus objetivos mesmo fazendo uma dieta, cuidado! Você pode estar cometendo um desses…
  • Torta de Banana IntegralTorta de Banana Integral
    A minha dica de hoje é essa deliciosa e nutritiva sobremesa – Torta Integral de Banana. Uma receita muito fácil, rápida e …
  • Colágeno HidrolisadoColágeno Hidrolisado
    O sucesso do colágeno hidrolisado não é de hoje. Com a promessa de ajudar no emagrecimento promovendo maior saciedade, dei…
Compartilhe:

Fatal error: Uncaught Exception: 12: REST API is deprecated for versions v2.1 and higher (12) thrown in /home/storage/1/df/74/miguelvieiranutricao/public_html/wp-content/plugins/seo-facebook-comments/facebook/base_facebook.php on line 1273